Texto de Helena de Sousa Freitas

O texto “O espaço público urbano como lugar de desafio:  práticas anarquistas recentes nas paredes de Setúbal” de Helena de Sousa Freitas foi apresentado  no Workshop “Protestos e Movimentos Sociais Contemporâneos em Portugal” no dia 21 de fevereiro, no ISCTE, Lisboa.

Resumo:

Marcada por significativos problemas sociais (do desemprego às más condições de alimentação e habitação), Setúbal conheceu, nas primeiras décadas do século XX, uma intensa actividade anarco-sindicalista, com evidências na criação de associações profissionais, na realização de prolongadas greves e no florescimento da imprensa ácrata.

Mas na cidade, como em todo o país, o movimento libertário enfraqueceu durante o Estado Novo e, depois do 25 Abril de 1974, o antipartidarismo anarquista nada conseguiu contra o entusiasmo de um povo que não quis abdicar do seu direito de voto numas eleições livres.

No século XXI, porém, o silêncio foi quebrado. Na sequência de projectos como a Casa Okupada de Setúbal Autogestionada (COSA), as paredes urbanas tornaram-se cenário privilegiado dos novos anarquistas, que ali contestam os mais diversos tópicos – da especulação imobiliária à acção policial –, por vezes escolhendo slogans comuns a murais de outros países ou influenciados por aqueles.

Um dos seus pontos de insistência é o Troiaresort, um empreendimento turístico para as elites que, segundo os anarquistas, impede a população local de desfrutar das praias de Tróia (ao longo de décadas espaço de veraneio das classes baixas que se vêem agora confrontadas com o elevado preço da travessia do rio Sado).

Em (re)acção, os anarquistas têm escrito nas paredes de Setúbal frases imperativas (“Tróia é nossa”), desanimadas (“O ferry vai e volta, a nós resta-nos a revolta”) ou jocosas (“Coisas finas em Tróia, só se for a areia”), sendo frequentes as alusões ao tema noutras iniciativas, como a manifestação “anti-capitalista e anti-autoritária” do 1.º de Maio.

Reunindo características que, à luz da literatura, permitem defini-los como “novos movimentos sociais”, os colectivos anarquistas de Setúbal têm entre as suas acções mais recentes a participação nas manifestações de 15 de Setembro (“Que se lixe a Troika”) e de 13 de Outubro (“Que se lixe a Troika – a Cultura junta-se à resistência”), envolvendo-se na organização desta última em parceria com grupos de cariz mais institucional/convencional.


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.