Mario Montez: “Do Choupal à utopia: mobilização e desmobilização na ação coletiva”

O texto “Do Choupal à utopia: mobilização e desmobilização na ação coletiva” do Mario Montez foi apresentado  no Workshop “Protestos e Movimentos Sociais Contemporâneos em Portugal” no dia 21 de fevereiro, no ISCTE, Lisboa.

Resumo:
A partir do estudo de caso da ação coletiva realizada pelo movimento cívico Plataforma do
Choupal, criado em Coimbra para defesa da Mata Nacional do Choupal contra a construção de um viaduto rodoviário sobre aquele espaço público, levantam-se pistas e hipóteses que
procuram responder à questão: o que poderá influir na intensidade da mobilização ou na efetiva desmobilização de uma ação coletiva? A análise desta ação coletiva mostra a existência de uma relação entre a ameaça e a ação coletiva, condicionada por uma dimensão emocional e subjetiva proveniente da relação dos sujeitos com os bens de que usufruem, assim como de uma perceção de risco dos mesmos relativa à proximidade da ameaça aos seus bens. A partir daqui levanta-se a hipótese da existência de uma dinâmica determinante para a mobilização e para a desmobilização da ação coletiva, composta por dois sentidos opostos: um ascendente no sentido da mobilização e um descendente no sentido da desmobilização. O contributo trazido pela compreensão desta dinâmica de “sentidos da ação coletiva”, da sua complexidade e dos elementos que a compõem, considera-se importante para a prossecução das ações coletivas pontuais enquanto movimentos sociais que visem a produção de uma mudança social portadora de uma efetiva democracia participativa.

Palavras- chave: Ação Coletiva; Mobilização; Desmobilização; Sentidos da Ação Coletiva.


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.