Tag Archives: research project

Conferência: ACTIVISMO EM TEMPOS DE CRISE: MEDIA DIGITAIS, MOVIMENTOS SOCIAIS E PARTICIPAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE PORTUGUESA

21f3df_9767ecc8f41a4aeb847f36d85266e2cd.jpg_srz_p_390_473_75_22_0.50_1.20_0.00_jpg_srz

Mais informações:

http://nyactivismproject.wix.com/nyactivism2014#!conferncia/cqfb

Texto de Helena de Sousa Freitas

O texto “O espaço público urbano como lugar de desafio:  práticas anarquistas recentes nas paredes de Setúbal” de Helena de Sousa Freitas foi apresentado  no Workshop “Protestos e Movimentos Sociais Contemporâneos em Portugal” no dia 21 de fevereiro, no ISCTE, Lisboa.

Resumo:

Marcada por significativos problemas sociais (do desemprego às más condições de alimentação e habitação), Setúbal conheceu, nas primeiras décadas do século XX, uma intensa actividade anarco-sindicalista, com evidências na criação de associações profissionais, na realização de prolongadas greves e no florescimento da imprensa ácrata.

Mas na cidade, como em todo o país, o movimento libertário enfraqueceu durante o Estado Novo e, depois do 25 Abril de 1974, o antipartidarismo anarquista nada conseguiu contra o entusiasmo de um povo que não quis abdicar do seu direito de voto numas eleições livres.

No século XXI, porém, o silêncio foi quebrado. Na sequência de projectos como a Casa Okupada de Setúbal Autogestionada (COSA), as paredes urbanas tornaram-se cenário privilegiado dos novos anarquistas, que ali contestam os mais diversos tópicos – da especulação imobiliária à acção policial –, por vezes escolhendo slogans comuns a murais de outros países ou influenciados por aqueles.

Um dos seus pontos de insistência é o Troiaresort, um empreendimento turístico para as elites que, segundo os anarquistas, impede a população local de desfrutar das praias de Tróia (ao longo de décadas espaço de veraneio das classes baixas que se vêem agora confrontadas com o elevado preço da travessia do rio Sado).

Em (re)acção, os anarquistas têm escrito nas paredes de Setúbal frases imperativas (“Tróia é nossa”), desanimadas (“O ferry vai e volta, a nós resta-nos a revolta”) ou jocosas (“Coisas finas em Tróia, só se for a areia”), sendo frequentes as alusões ao tema noutras iniciativas, como a manifestação “anti-capitalista e anti-autoritária” do 1.º de Maio.

Reunindo características que, à luz da literatura, permitem defini-los como “novos movimentos sociais”, os colectivos anarquistas de Setúbal têm entre as suas acções mais recentes a participação nas manifestações de 15 de Setembro (“Que se lixe a Troika”) e de 13 de Outubro (“Que se lixe a Troika – a Cultura junta-se à resistência”), envolvendo-se na organização desta última em parceria com grupos de cariz mais institucional/convencional.

Encontro Internacional de Encerramento do Projecto “Movimento social crítico e alternativo: memória e referências”

Biblioteca Nacional de Portugal, dia 28 de Janeiro de 2013

Projecto “Movimento social crítico e alternativo: memória e referências”

Ler Mais

 

PROGRAMA

15,00 H – Abertura do Encontro pela Directora-Geral da BNP, Dra. Inês Cordeiro

15,10 – Apresentação de resultados do projecto (coord. João Freire):
– O Sistema de Informação ‘MOSCA’, por Paulo Guimarães e Paulo Quaresma
– A “Biblioteca de Textos Livres”, por António Cândido Franco e Manuela Parreira da Silva
– Os Roteiros da Memória Urbana, por Mª Alexandre Lousada
– Comentários: Profªs. Doutoras Inês Amorim e Luísa Tiago de Oliveira

16,00 – Perspectivas internacionais de cooperação entre arquivos digitais (coord. Paulo Guimarães):
– Edson Passetti, da Universidade Católica de S. Paulo, “Arquivos brasileiros da memória operária e do anarquismo”
– Marien van der Heijden, do Instituto Internacional de História Social, de Amesterdão, “Bringing Social History Online: Experiences and projects of the IISH, Amsterdam, and the International Association of Labour History Institutions”
– Debate

17,00 – Lançamento do livro “Greve de Ventres!”, com a presença dos organizadores João Freire e Mª Alexandre Lousada, do editor e da comentadora Joana Pontes.

Enquadramento dos Direitos dos Pobres – Cooperação Transnacional entre os Atores das Sociedades Civis de Portugal e do Brasil

Projecto de Britta Baumgarten (01.07.2011-30.06.2014)

Resumo
A pobreza é uma das grandes preocupações das sociedades modernas e muitos atores intervêm em atividades em nome dos pobres. Este projeto concentra-se na cooperação entre os atores da sociedade civil que promovem direitos sociais em nome dos pobres em Portugal e no Brasil numa perspetiva transnacional e de longo prazo. As políticas relativas aos direitos dos pobres dependem, em grande medida, das políticas nacionais e da cooperação ao nível global. A interação do que é global e do que é nacional (respetivamente, o nível local) é interessante no que se refere à questão da cooperação transnacional: diversos atores integrados em diferentes contextos nacionais e, simultaneamente, num campo de experiências comuns têm de procurar constantemente uma definição comum da situação para poderem cooperar. A principal questão a investigar neste projeto é “Como é que diferentes conceitos sobre a pobreza e os pobres, diferentes campos de atores e outras especificidades nacionais afetam a cooperação entre os atores da sociedade civil e como eles evoluem com o tempo”.

Empiricamente, o estudo dá uma perspetiva mais profunda da cooperação dos atores da sociedade civil em nome dos pobres, sublinhando especificamente os contextos culturais e institucionais. Ao nível teórico, pretende contribuir para a investigação sobre o funcionamento de uma sociedade civil transnacional.