Tag Archives: perspectia histórica

A CRISE REVOLUCIONÁRIA DE 1975 – Congresso internacional (Lisboa, 8 e 9 de Junho e Porto, 11 e 12 de Junho)

https://congressocriserevolucionaria1975.wordpress.com/inicio-2/programa/

Programa:

8 DE JUNHO
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Av. de Berna, 26C, 1069-061 Lisboa

9h00 Sessão de Abertura – Diretor da FCSH, e do IHC, Maria Fernanda Rollo

9h30 Conferência de Abertura – Prof. Fernando Rosas (IHC/FCSH-UNL) – “Ser ou não Ser: A Revolução Portuguesa de 1974/1975″

Moderação: Maria Fernanda Rollo (IHC/FCSH-UNL)

10h30 Mesa Redonda – População e Território – Coordenada por Maria José Roxo (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL)

Oradores: Maria José Roxo (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL)Dulce Pimentel (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL), Regina Salvador (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL), Fernanda Carmo (ICNF), José Lúcio (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL)

Moderação: Maria José Roxo Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL)

11h30 Pausa para café

11h45 Painel: Estado da Arte no Período Revolucionário

Daniela Simões (IHA/FCSH-UNL) – “Arte e Arquitetura da Revolução: da alta cultura às massas populares”

Sandra Vieira Jürgens (IHA/FCSH-UNL) – “As galerias de arte no Portugal Revolucionário”

Leonor Oliveira (IHA/FCSH-UNL) – “Por um museu vivo: os museus após a Revolução e a criação de um Museu de Arte Moderna no Porto”

Moderação: Prof.ª Raquel Henriques da Silva

13h00 Pausa para almoço

14h00 Comunicações – Economia e Sociedade

J.M. Brandão de Brito (ISEG/UL e IHC/FCSH-UNL) – “O Movimento Sindical no PREC e o I Congresso da Intersindical”

Cristina Rodrigues (IHC/FCSH-UNL) – “Unicidade Sindical: Princípio e fim de um caminho”

José Manuel Lopes Cordeiro (Univ. do Minho) – “O Sindicato dos Quimícos durante o PREC: Uma voz contra a corrente”

Moderação: Alice Cunha (IHC/FCSH-UNL)

15h15 Comunicações – Economia e Sociedade

Ricardo Noronha (IHC-FCSH/UNL) – “Qual é o valor da tua ferramenta? – para uma economia política dos conflitos sociais durante o PREC”

Vanessa Alexandra Pereira (FCSH/UNL) – “As minas de Aljustrel no contexto da crise revolucionária de 1975: análise ao relatório de contas da Pirites Alentejana S.A.R.L”

João Moreira (FLUC) – “João Martins Pereira. O engenheiro que nacionalizou a indústria”

Moderação: Rita Luís (IHC/FCSH-UNL)

16h15 Pausa para café

16h30 Mesa Redonda – Revolução e Poder Judicial: rutura e legitimidade – Coordenada por Fátima Moura Ferreira (Lab2PT)

Oradores: Wladimir Brito (Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra), Fátima Moura Ferreira, (Lab2PT), Irene Pimentel (IHC-FSCH/UNL), António Costa Pinto (ICS-UL)

Moderação: Paula Borges Santos (IHC-FCSH/UNL)

18h00 Conferência de Encerramento: Prof.ª Eugénia Mata (Faculdade de Economia da UNL) – “A crise económica de 1975. Governação e Políticas Públicas”

Moderação: Maria de Fátima Nunes (IHC-FCSH/UNL; CHFCI-UE)

 

9 DE JUNHO

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Av. de Berna, 26C, 1069-061 Lisboa

09h30 Comunicações – Instituições e Política

Inácia Rezola (IHC-FSCH/UNL) –”Antes da Ordem do Dia: a Revolução na Assembleia Constituinte”

Ivo Veiga (IHC-FSCH/UNL) – “A 5ª Divisão do Estado-Maior-General das Forças Armadas no processo revolucionário português. Projeto, validação e resistências”

Luís Eloy Azevedo (IHC-FSCH/UNL) – “A justiça na Revolução”

Moderação: Ana Sofia Ferreira (IHC-FCSH/UNL)

10h45 Pausa para café

11h00 Comunicações – Politica e Movimentos Sociais

Raquel Varela (IHC-FSCH/UNL) – “Estratégia em debate no Verão Quente de 1975″

Alcino Pedrosa (IHC-FSCH/UNL) – “Fernando Piteira Santos: política de A a Z”

Helena Lima (FLUP) e Ana Isabel Reis(FLUP) – “A rádio e o período revolucionário: Contextos, actores e narrativas”

João Arsénio Nunes (CEI-IUL) – “Álvaro Cunhal e o PREC”

Emanuele Treglia (LUISS University – Rome) – “The carnation Revolution: A crucial moment in the evolution of the European Communism”

Moderação: Giulia Strippoli (IHC-FCSH/UNL)

12h30 Pausa para almoço

14h00 Painel: A Liberdade entre-muralhas no Alentejo PRECário

Eduardo Esperança (Univ. Évora e CECL-UNL)

Ema Pires ( Univ. Évora e CRIA-IUL)

João Brigola (Univ. Évora e CIDEHUS, UÉ)

Miguel Rego ( Museu da Ruralidade, Castro Verde)

Moderação: Ivo Veiga (IHC-FCSH/UNL)

15h30 Painel: Dimensões Internacionais da Revolução de Abril: narrativas e militâncias políticas

Rita Luís (IHC-FSCH/UNL) – ” «O povo português é contra-revolucionário». A emergência do povo português na imprensa espanhola.”

Giulia Strippoli (IHC-FSCH/UNL) – “Ver, escrever e viver a Revolução. A experiência de Lotta Continua”

Marco Gomes (IHC-FSCH/UNL) – “O envolvimento dos enviados especiais estrangeiros na Revolução de Abril – o caso italiano: originalidades, paralelismos históricos, personagens e cenários”

Moderação: Pau Casanellas (IHC-FCSH/UNL)

16h45 Pausa para café

17h00 Conferência de Encerramento – Prof. Rui Bebiano (FLUC/CES– CD25 de Abril) – “O «intelectual público» na transição democrática portuguesa”

Moderação: Maria de Fátima Nunes (IHC-FCSH/UNL; CHFCI-UE)

 

 11 DE JUNHO

Faculdade de Letras (FLUP), Universidade do Porto

Via Panorâmica, s/n, 4150-564 Porto

14h30 Sessão de Abertura – Anfiteatro 2

Diretora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Presidente do Departamento de História e de Estudos Políticos e Internacionais

15h00 PREC e Educação Popular – sala 201, Simpósio organizado por Rui Canário e Isabel Menezes

Rui Canário (Universidade de Lisboa) “Educação Popular no PREC: entre a autonomia e heteronomia”

Isabel Gomes (FPCEUP) “«(…) estava tudo por fazer …»: As campanhas de alfabetização de adultos no contexto do PREC”

Luís Alcoforado (Universidade de Coimbra) “Os apelos portugueses ao pensamento e às práticas de Paulo Freire, na década de 70 do século XX”

Teresa Medina (FPCEUP) “Aprender a liberdade”

Comentário Final: José Alberto Correia (FPCEUP)

Moderação: Rui Canário (Universidade de Lisboa)

15h00  Violência e Tensões Sociais I – Sala 203, Simpósio organizado por Ana Sofia Ferreira e João Madeira

Ana Sofia Ferreira (IHC-FCSH/UNL): “Forte tensão politica no Porto no verão de 1975: a crise do CICAP/RASP”

Albérico Afonso Costa (ESE/IPS – IHC-FCSH/UNL): “Novas formas de organização política e social em Setúbal no contexto da Revolução Portuguesa (1974-1975)”

Pedro Luís da Rocha Baptista (Instituto de Filosofia da FLUP): “Crónica de uma revolução inexistente”

João Madeira (IHC-FCSH/UNL): “A definição de um campo político no Verão de 1975: o “poder popular” e o seu Directório”

Moderação: Constantino Piçarra

16h30 Pausa para café

16h45 Violência e Tensões Sociais II – Sala 203, Simpósio organizado por Ana Sofia Ferreira e João Madeira

Constantino Piçarra (IHC-FCSH/UNL): “A Violência Política no Alentejo no seguimento da crise
revolucionária de 1975 com a reforma agrária em pano de fundo” –

Miguel Pérez (IHC-FCSH/UNL): “Da greve à ocupação: a luta operária na Revolução portuguesa”

Cristina Nogueira (IHC-FCSH/UNL): “A visibilidade da memória do Tarrafal”

Moderação: João Madeira

18h00  Sessão Plenária – Anfiteatro 2

Conferência de Roger Dale (University of Bristol) “The April Revolution and the continuing/consequent contributions of education to Portuguese realities”

 

12 DE JUNHO

Faculdade de Letras (FLUP), Universidade do Porto

Via Panorâmica, s/n, 4150-564 Porto

9h30 Memória(s) e Silenciamento(s) I – Sala 203

Lucileide Cardoso (Universidade Federal da Bahia): “Memória e Informação: Historiadores Perseguidos nas Ditaduras Portuguesa e Brasileira”

Célia Cardoso (Universidade Federal de Sergipe): “Estrutura Político-Repressiva no Brasil e em Portugal: DOPS e PIDE (1945-1974)”

Vasco Ribeiro (FLUP): “O general Vasco Gonçalves e a 5.ª Divisão do MFA (1974-1975)”

Moderação: Manuel Loff (FLUP – IHC-FCSH/UNL)

10h45 Pausa para café

11h00 Memória(s) e Silenciamento(s) II – Sala 203

Federico Lopez-Terra (University of Leeds): “Narrative Restitution of Memory in Post-Revolutionary Portugal: The case of José Saramago’s novels”

Manus McGrogan (University of Portsmouth): “Portugal 1975: end point of the European revolution? A British perspective”

Pedro Miguel Ponte e Sousa (FLUP): “Portugal e a Nato: a continuidade na política externa pós-Revolução de Abril. Revolução silenciada?”

Moderação: Lucileide Cardoso (Universidade Federal da Bahia)

11h00  PREC e Educação em mudança: Políticas e práticas – sala 201, Simpósio organizado por Isabel Menezes e Rui Canário

Joaquim Pintassilgo (Universidade de Lisboa) “O período revolucionário: Um laboratório de experiências pedagógicas”

José Pedro Amorim (CIIE/FPCEUP) “Impactos do PREC? Políticas de educação de adultos e evolução da taxa de analfabetismo na população entre os anos 1890 e 2011”

Luís Grosso (FLUP) “O sistema educativo português segundo os relatórios de situação da OCDE de 1974 e 1975”

Comentário: Rui Canário (Universidade de Lisboa)

Moderação: Isabel Menezes (FPCEUP)

12h30 Sessão de Encerramento – Anfiteatro 2

Manuel Loff (FLUP – IHC-FCSH/UNL): “O Poder e a Revolução”

 

Apresentação do livro “Mulheres contra a ditadura”

Quinta-feira, 9 de Outubro às 21:00
MOB, Rua dos Anjos 12 F, 1150-037 Lisboa

A primeira “elite” de mulheres que lutou contra a ditadura no pós-guerra nasceu no Movimento de Unidade Democrática Juvenil (MUDJ, 1946-1957).
Filhas de juízes, de conservadores, de médicos, advogados, militares, ou de empresários, filhas de oposicionistas, republicanos sobretudo, elas foram jovens escolarizadas à procura de respostas políticas novas, diferentes das de seus pais. Burguesas, muitas universitárias, que arrastaram operárias e trabalhadoras rurais para o MUDJ, com a sua capacidade de liderança e de organização.
Este trabalho destina-se a dar visibilidade às raparigas do MUDJ, que arriscaram, estiveram presas, leram livros proibidos, recrutaram, discursaram, militaram nas campanhas, discutiram animadamente nos cafés, e desafiaram até a moral e os bons costumes do tempo, com a sociabilidade mista, que juntava raparigas e rapazes nos passeios no campo, nos piqueniques, ou cantando Lopes Graça.
Vai à procura das que começaram a sua vida política no MUDJ e das muitas que passaram da luz à sombra, mesmo quando não desistiram de lutar contra a ditadura.

https://www.facebook.com/events/470148723128439/?notif_t=plan_user_invited

New Publication: ‘Mild Mannered’? Protest and Mobilisation in Portugal under Austerity, 2010–2013

by Guya Accornero & Pedro Ramos Pinto

Anti-austerity mobilisations in Southern Europe since 2010 have been widely debated in recent times. Commentators have emphasised the emergence of new political subjects such as the ‘precariat’ organised into loose, IT-connected movements. To what extent do these portrayals reflect the underlying dynamics of this protest cycle, and how do these movements interact with traditional political actors? Using Portugal as a case study, this article maps the cycle of anti-austerity contention between 2010 and 2013 to reveal a more complex picture, where traditional actors, including labour unions and left-wing political parties, emerge as key actors, facilitating and sustaining the discontinuous mobilisation of new forms of activism, while seeking to gain access to new constituencies through them.

Text online here:

http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01402382.2014.937587#.VCu9SBarG8A

III International Conference Strikes & Social Conflicts. Barcelona, 16 a 19 de Junio de 2015

PRESENTACIÓN

Desde el inicio de la crisis de 2008, con especial afectación inicialmente sobre los países centrales del capitalismo, vivimos un cambio de etapa histórico que en algunas áreas del planeta se inició a lo largo de la década de los noventa del siglo pasado. Una gran transformación que ha puesto en evidencia hasta qué punto la protesta social vuelve a estar en el centro de la posibilidad de modelar, en un sentido u otro, nuestras sociedades. Convertida la investigación sobre la protesta social y política, en las últimas décadas, en un objeto de estudio menor dentro del mundo académico, su revalorización deviene en nuevo caudal para aproximarnos a la comprensión histórica de nuestro propio presente y futuro.

Es en este marco que la celebración de la III Conference Strikes and Social Conflicts tendrá lugar en Barcelona, uno de los epicentros de la nueva marea de protestas que eclosionó con el 15M o movimiento de los “indignados”, en 2011. Es desde este espacio que se propone un eje de debate prioritario que nos permita aproximarnos a la aportación de las protestas sociales y políticas en épocas de fuerte convulsión económica, social, política y cultural. Esta voluntad va acompañada a la vez de la necesidad de que las aproximaciones que se puedan realizar en esta Conferencia integren todas las líneas de investigación y toda la acumulación de conocimientos realizada sobre la diversidad del fenómeno de la protesta socio-política: desde aquello que se ha considerado como parte de sus componentes centrales, hasta lo que se ha considerado como algo que se encuentra en sus márgenes resulta relevante para una comprensión integral del fenómeno. Asimismo no consideramos que para la comprensión histórica del presente y del pasado existan unos períodos más relevantes que otros: cualquier pasado, por lejano que sea, es susceptible de contener la semilla del presente. En este sentido es voluntad de este encuentro que todos los períodos históricos desde el siglo XVIII se hagan igualmente presentes, como lo es también la de propiciar la posibilidad de aportaciones que desde una perspectiva comparada nos ofrezcan nueva luz sobre los distintos procesos históricos. En la misma tesitura, pretendemos que este congreso se convierta en un espacio de conocimiento y cruce de cada una de las tradiciones historiográficas desarrolladas en los más diversos países.
Un nuevo período histórico demanda de una historiografía que se pueda poner a la altura de sus retos; pretendemos, en este sentido, poder aportar un estímulo en la necesidad de configurar una nueva agenda per la investigación, donde la historia de la protesta social y política tienen que jugar un papel clave.

EJES TEMÁTICOS:

I. Crisis económicas y movimientos de protesta.
Aportaciones sobre la relación entre la protesta social y política y las crisis económicas: de qué manera interactúan, cómo se condicionan a largo y a corto plazo unas y otras y qué factores explican una u otra morfología de la protesta en este tipo de situaciones.

II. Movimientos sociales urbanos.
La configuración de la ciudad y sus problemáticas vivenciales han configurado una protesta urbana que, a su vez, ha sido también conformadora de la propia ciudad, tanto en aquello que se refiere a sus valores, como a sus políticas, como a su realidad urbanística. Pueden incluirse en este eje desde el movimiento vecinal hasta los movimientos en contra de los desahucios, pasando por las ocupaciones de viviendas y locales, los boicots a los servicios públicos, etc.

III. El conflicto agro-rural.
Análisis de los conflictos sociales ligados a áreas rurales y actividades de los sectores agrícola y ganadero, preferentemente, tanto con respecto a las condiciones de vida y trabajo, como respecto a la propiedad de la tierra y/o del agua, de los aprovechamientos privados o colectivos de áreas no cultivadas (silvicultura), la presión sobre culturas nómadas supervivientes, etc.

IV. Identidades y conflictos sociales.
De qué manera afectan a los conflictos sociales las identidades socio-políticas y nacionales y cómo los conflictos sociales cambian la naturaleza de esas identidades.

V. Procesos migratorios y transformación de la conflictividad.
Cómo se transforman los sujetos sociales y la naturaleza de los conflictos a causa de los procesos migratorios, factores de atracción y de rechazo (pull & push), dinámicas de la integración socio-cultural, surgimiento y construcción de guetos, xenofobia, racismo, etc.

VI. Movimientos de orientación sexual e identidad de género.
Aproximaciones a los movimientos de identidad de género y de orientación sexual: de la historia de las formas de organización de los grupos de afirmación feministas, gay-lésbicos, bisexuales, transgénero hasta los más recientes movimientos trans, pasando por sus discursos y debates en relación, también, al resto de los movimientos sociales.

VII. Morfología de la protesta en los países del campo socialista.
Los países socialistas de Europa del Este y de algunas otras áreas geográficas han pasado, igualmente, por situaciones de protesta social. ¿Cuáles han sido su lógica y sus particularidades, en sociedades, aparentemente, “sin clases”?

VIII. Movimientos sociales y cambio político.
El análisis de la interacción entre los movimentos sociales y el cambio político en situaciones de transición: situaciones de tránsito entre dictadura y democracia o procesos revolucionarios.

IX. Del conservacionismo a la protesta social.
En este eje se pretenden integrar las formas de protesta relacionadas con la defensa y preservación del medio ambiente en términos ecológicos, pero también económicos, patrimoniales e identitarios.

X. Formas organizativas y conflictividad social.
En este ámbito se abre la posibilidad de abordar las distintas formas de organización social y política alrededor de la conflictividad. Se incluyen sindicatos, mutualismo, sociedades de resistencia, organizaciones campesinas, organizaciones patronales, partidos y todas las formas de organización relacionadas con los movimientos sociales, así como el papel específico de las mujeres en los conflictos laborales.

PRESENTACIÓN DE COMUNICACIONES:

– Podrán presentarse comunicaciones individuales pero también propuestas de sesión completa, preparadas en equipo, con 3 o 4 comunicaciones alrededor de alguna de las temáticas descritas en los ejes anteriores.
– Se valorarán de manera especial aquellas propuestas que faciliten el debate, la comparación dentro de un mismo eje temático de espacios geográficos diferentes, la incardinación de ejes diferentes en un mismo espacio geográfico o la perspectiva de largo plazo. Animamos a presentar propuestas con voluntad integradora de planteamientos teóricos y empíricos que eviten, en lo posible, tanto la pura descripción de caso, como la especulación puramente abstracta.
– Calendario:
– Límite para la presentación de propuestas (comunicaciones y paneles): 15 de septiembre de 2014. La presentación de las propuestas deberá incluir: datos del comunicante o comunicantes (nombre y apellidos, institución de investigación a la que se vincula y email) y abstract de una página aproximadamente (2.100 caracteres, sin espacios). En el caso de la presentación de una propuesta de panel, deberá incluirse un título para el mismo, un responsable de contacto, un abstract del panel (300 caracteres) y los datos de cada una de las comunicaciones y autores (vid.supra.) en un mismo documento.
– Confirmación de aceptación de la propuesta de comunicación: 30 de octubre de 2014.
– Límite para la entrega de los textos de la comunicaciones: 1 de marzo de 2015.
– Formato de las comunicaciones: a) los textos se presentarán en archivo Word; b) no podrán superar los 31.000 caracteres con espacios, incluidas las notas al pie, en tipografía Times New Roman de tamaño 12 y con un interlineado de 1,5; c) el material gráfico (tablas, gráficos, fotografías, grabados, etc.) no contará en el total de caracteres pero tendrá que figurar al final del texto como apéndice.
– Las comunicaciones completas serán sometidas a evaluación y posteriormente se informará de su aceptación definitiva.

Tarifas de inscripción:
a) Estudiantes e investigadores sin empleo: 30 €
b) Profesorado e investigadores con contrato en vigor: 50 €
Fecha límite de inscripción: 30 de abril de 2015.

Contacto:
CEFID. Mòdul de Recerca A, Parc de Recerca de la UAB. 08193 Bellaterra (Cerdanyola del Vallès). ce.efid@uab.cat

ORGANIZACIÓN:
Centre d’Estudis sobre les Èpoques Franquista i Democràtica de la Universitat Autònoma de Barcelona (UAB-CEFID):
http://centresderecerca.uab.cat/cefid

International Association Strikes and Social Conflicts:
http://www.iassc-mshdijon.fr/spip.php?article48&lang=en

Seminário Luso Brasileiro Trabalho, Educação e Conflitos Sociais

02 de Julho de 2014

IHC – Sala Multiusos 2, Piso 4, ID

 

Programação

 

9h00 – Abertura.

Investigadores: Raquel Varela (IHC/UNL) e Fabiane Santana Previtali (UFU – IHC/UNL).

 9h30: Sessão Temática 1- Trabalho e Educação: A experiência recente de Portugal e Brasil

Investigadores: Fabiane Santana Previtali (UFU – IHC/UNL), Teresa Medina (IHC/UNL), Sonia Maria Rummert (UFF – IHC/UNL) e Cílson César Fagiani (PPGED/UFU – IHC/UNL).                                             

12h00: almoço


14h00: Sessão Temática 2 – Trabalho e Conflitos Sociais em Portugal e Brasil Investigadores: Sérgio Paulo Morais (IH/UFU), Raquel Varela (IHC/UNL), Joana Alcântara (IHC/UNL) e Britta Baumgarten (
CIES-ISCTE Lisboa).


16h00: Sessão Temática 3 – Trabalho, Educação e Politicas Públicas no Capitalismo Contemporâneo

Investigadores: Sara Granemann (UFRJ-IHC/UNL), Thais C. Figueiredo Rêgo (PPGED/UFU – FIPMoc) e Ana Rajado (IHC/UNL).

18h00 – Encerramento

Entrada gratuita sujeita à inscrição prévia pelo e-mail:

Fabiane.previtali@gmail.com

 

 

Localização:

                                   Instituto de História Contemporanea – IHC

Av. Berna, 26 C
1069-061 LISBOA

Tel.: (00351) 21 7908300
ext.: 545
Fax.: (00351) 21 7908308
Email: 
ihc@fcsh.unl.pt

Homepage:

www.ihc.fcsh.unl.pt

Book: Nelkenrevolution reloaded? Krise und soziale Kämpfe in Portugal

Ismail Küpeli about current activism in Portugal including a collection of voices from activists.

Extract in English here: http://issuu.com/edition-assemblage.de/docs/extract_nelkenrevolution_reloaded

More about the book here: http://www.edition-assemblage.de/nelkenrevolution-reloaded/

 

Call for Papers “40 anos após o 25 de abril de 1974: a crise das democracias liberais”

Organização: CIES-IUL, IHC-FCSH/UNL e CES-UC
Local: Lisboa, ISCTE-IUL (Instituto Universitário de Lisboa)
Datas: 8-10 de maio de 2014
Data limite para submissão de propostas: 31 de Outubro de 2013

A Conferência Internacional “40 anos após o 25 de abril de 1974: a crise das democracias liberais” é uma organização conjunta de três Instituições de ensino e investigação portuguesas: DCP&PP (Departamento de Ciência Política e Políticas Públicas) e do CIES-IUL (Centro de Investigação e Estudos de Sociologia), ambos pertencentes ao ISCTE-IUL (Instituto Universitário de Lisboa ); do IHC-UNL (Instituto de História Contemporânea, Universidade Nova de Lisboa); e do CES-UC (Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra). Sendo a organização científica de Fernando Rosas (IHC-UNL), André Freire e José Manuel Leite Viegas (DCP&PP e CIES-IUL, ISCTE-IUL) e José Manuel Pureza (CES-UC).

No ano em que se comemoram os 40 anos após a Revolução dos Cravos portuguesa (25 de abril de 1974), que iniciou a chamada “terceira onda de democratização” em todo o mundo e a transição para a democracia em Portugal (depois de 48 anos de ditadura), a Conferência Internacional “40 anos após o 25 de abril de 1974: a crise das democracias liberais” tem dois objetivos principais.

Por um lado, pretende ser uma espécie de memória académica da transição para a democracia dos últimos 40 anos. Por outro lado, recorrendo ao contributo das várias Ciências Sociais e Políticas e das Ciências Humanas (História, Ciência Política, Relações Internacionais, Economia, Sociologia, Filosofia) e combinando abordagens comparativas e históricas, esta conferência pretende refletir sobre os vários indicadores da crise das democracias liberais e representativas europeias (governos tecnocráticos com um mandato popular pouco claro, governos partidários governando sem um mandato político das suas ações, consecutivas e profundas violações dos compromissos eleitorais por governos/partidos políticos eleitos, uma enorme compressão dos direito sociais contra a vontade do povo, etc.), pelo menos após 2008, data da maior crise financeira e económica desde a Grande Depressão (1929).

A Conferência terá lugar no ISCTE-IUL (Lisboa – Portugal), de 8 a 10 de maio de 2014, e terá uma sessão de abertura (com duas conferências de abertura proferidas por dois convidados) e cinco painéis académicos/temáticos, além de um painel final com os representantes dos partidos políticos representados no Parlamento português. Nos cinco painéis científicos/temáticos, metade dos trabalhos serão apresentados por convidados escolhidos pelos organizadores científicos deste Encontro e a outra metade pelos investigadores que responderem a este call for papers, depois de selecionados pelos mesmos organizadores científicos (ver abaixo o programa provisório).

Assim, convidamos todos os interessados em apresentar um trabalho na Conferência Internacional “40 anos após o 25 de abril de 1974: a crise das democracias liberais”, a enviar um resumo desenvolvido do mesmo (500-600 palavras no máximo), em que tanto o ponto de vista científico como os dados e metodologia utilizada sejam perfeitamente claros e especificados.

As propostas de comunicação devem ainda incluir a identificação do(s) autor(es), um curto CV (cerca de 5 linhas) e um link para o CV completo de todos os autores de cada uma das proposta. A proposta de trabalho deve igualmente especificar qual o painel que pretende integrar (apenas uma única opção).

Privilegiar-se-á a apresentação de trabalhos comparativos e longitudinais (isto é, que comparem as realidades dos diferentes países, mas também os diversos períodos de tempo, ou seja, o antes e o depois de 2008).

Data limite de envio de propostas: 31 de Outubro de 2013
Os autores serão notificados sobre a selecção de propostas até dia 30 de Novembro de 2013

A organização tem a intenção de publicar a versão revista dos trabalhos que, selecionados pela sua qualidade, venham a ser apresentados na conferencia. Todas as propostas devem ser enviadas simultaneamente para o CIES-IUL ( andre.freire@iscte.pt e jmlv@iscte.pt), IHC-UNL ( fernandorosas.ihc@fcsh.unl.pt) e CES-UC ( jmp@ces.uc.pt).

Call for Papers // Media, Trabalho e Conflitos Sociais (Séculos XIX e XX)

Organização: Grupo de Estudos do Trabalho e dos Conflitos Sociais do Instituto de História Contemporânea (IHC-UNL)
Local: FCSH-UNL. Av. de Berna, 26, Edifício I&D
Datas: 16 e 17 de Outubro de 2013
Data limite para submissão de propostas: 10 de Julho de 2013

Coordenação: Raquel Varela, Giulia Stripoli, Paula Borges Santos

Parcerias: Comissão de Trabalhadores da Rádio Televisão Portuguesa; Hemeroteca Municipal de Lisboa.
Esta conferência internacional pretende incentivar a apresentação de investigações que tenham por cerne as relações e condições laborais na imprensa, radio e televisão e também que enfatizem as relações entre media e conflitos sociais, desde o século XIX até ao final do século XX.
Além de se pretender favorecer um conhecimento diacrónico da evolução do papel dos media em torno desses dois eixos de problematização, esta conferência procura também fomentar uma reflexão interdisciplinar, acolhendo para tanto apresentações produzidas no âmbito da história, da sociologia, da antropologia, e da comunicação social, entre outras ciências sociais.

As propostas de comunicações devem privilegiar contribuições teóricas ou metodológicas, estudos de caso ou outras investigações que concorram para criar conhecimento em torno:

– Da história do trabalho e das condições laborais dos trabalhadores dos media;
– De conflitos de trabalho envolvendo media e do seu impacto na comunidade envolvente;
– Da influência do movimento dos trabalhadores e dos conflitos sociais na história dos media;
– Do papel dos media face a conflitos sociais;
– De sociabilidades associativas dos trabalhadores dos media;
– De dinâmicas de trabalho entre media nacionais e seus congéneres estrangeiros.

As propostas devem ser submetidas à organização da conferência, até 31 de Maio de 2013, através do seguinte email: mediatrabalhoconflitossociais@gmail.com. As propostas devem apresentar: título, resumo (mínimo de 200 palavras e máximo de 500), nome e filiação institucional do comunicante. A organização comunicará da decisão de seleção das propostas recebidas até 30 de Junho. Os comunicantes selecionados devem enviar à organização o texto completo da sua apresentação até 30 de Setembro.

Calendário:

Data limite de submissão de propostas: 10 de Julho de 2013

Data de comunicação da decisão de seleção: 1 de Setembro de 2013

Data limite de envio de texto completo: 5 de Outubro de 2013

Call for Papers // Congresso Internacional “A Revolução de Abril. Portugal 1974-75”

Organização: IHC-FCSH/UNL, em parceria com o Teatro Nacional D. Maria II
Local: Lisboa | Teatro Nacional D. Maria II
Datas: 21 a 24 de Abril de 2014
Data limite para submissão de propostas: 1 de Dezembro de 2013

Quando se aproxima o 40º Aniversário da Revolução que pôs fim ao Estado Novo e abriu caminho à instauração do regime democrático em Portugal, pretende o Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas-UNL, com a parceria do Teatro Nacional D. Maria II, reunir num Congresso internacional, entre 21 e 24 de Abril, os trabalhos de investigadores dedicados ao estudo do processo revolucionário de 1974-75.

Sem esquecer os efeitos que contribuíram para a posterior consolidação democrática ou as continuidades herdadas do regime anterior, o Congresso focar-se-á fundamentalmente nas diversas manifestações de ruptura e mudança, tendo como objectivo tornar inteligíveis os principais vectores do processo revolucionário e como denominador comum a análise das transformações operadas na sociedade e política portuguesas entre 25 de Abril de 1974 e 25 de Novembro de 1975.

O Congresso A Revolução de Abril reunirá intervenções proferidas por conferencistas internacionais e nacionais convidados e a apresentação de comunicações seleccionadas a partir deste convite à submissão de propostas.

Adoptando um registo interdisciplinar e internacional, a organização do Congresso privilegiará propostas de comunicações originais enquadradas nos seguintes eixos temático (sem prejuízo de virem a ser aceites propostas de comunicações dedicadas a outros temas):

– Partidos, instituições e poder político;
– Movimento das Forças Armadas e intervenção política dos militares;
– Descolonização;
– Movimentos e conflitos sociais;
– Economia e desenvolvimento;
– Educação, estética e cultura;
– Dimensão internacional da Revolução Portuguesa;
– Historiografia e História da Revolução.

A seleção das propostas será orientada pelo propósito de garantir o máximo de qualidade, originalidade e diversidade dos trabalhos.

As propostas de comunicação devem ser apresentadas num texto máximo de 500 palavras e devem ser acompanhadas por três palavras-chave. Os proponentes deverão juntar uma breve nota biográfica (200 palavras), assim como a filiação institucional e contactos do autor ou autores (email e telefone).

As comunicações têm a duração máxima de 30 minutos e poderão ser apresentadas em português, castelhano, inglês e francês.

Submissão das propostas de comunicação: até 1 de Dezembro de 2013.
Data da comunicação aos autores dos resultados da submissão das propostas: 2 de Janeiro de 2014.
Divulgação do Programa: 15 de Janeiro de 2014.

Por favor envie as suas propostas de comunicação por e-mail para: ihc.40anos25deabril@gmail.com

Texto de Helena de Sousa Freitas

O texto “O espaço público urbano como lugar de desafio:  práticas anarquistas recentes nas paredes de Setúbal” de Helena de Sousa Freitas foi apresentado  no Workshop “Protestos e Movimentos Sociais Contemporâneos em Portugal” no dia 21 de fevereiro, no ISCTE, Lisboa.

Resumo:

Marcada por significativos problemas sociais (do desemprego às más condições de alimentação e habitação), Setúbal conheceu, nas primeiras décadas do século XX, uma intensa actividade anarco-sindicalista, com evidências na criação de associações profissionais, na realização de prolongadas greves e no florescimento da imprensa ácrata.

Mas na cidade, como em todo o país, o movimento libertário enfraqueceu durante o Estado Novo e, depois do 25 Abril de 1974, o antipartidarismo anarquista nada conseguiu contra o entusiasmo de um povo que não quis abdicar do seu direito de voto numas eleições livres.

No século XXI, porém, o silêncio foi quebrado. Na sequência de projectos como a Casa Okupada de Setúbal Autogestionada (COSA), as paredes urbanas tornaram-se cenário privilegiado dos novos anarquistas, que ali contestam os mais diversos tópicos – da especulação imobiliária à acção policial –, por vezes escolhendo slogans comuns a murais de outros países ou influenciados por aqueles.

Um dos seus pontos de insistência é o Troiaresort, um empreendimento turístico para as elites que, segundo os anarquistas, impede a população local de desfrutar das praias de Tróia (ao longo de décadas espaço de veraneio das classes baixas que se vêem agora confrontadas com o elevado preço da travessia do rio Sado).

Em (re)acção, os anarquistas têm escrito nas paredes de Setúbal frases imperativas (“Tróia é nossa”), desanimadas (“O ferry vai e volta, a nós resta-nos a revolta”) ou jocosas (“Coisas finas em Tróia, só se for a areia”), sendo frequentes as alusões ao tema noutras iniciativas, como a manifestação “anti-capitalista e anti-autoritária” do 1.º de Maio.

Reunindo características que, à luz da literatura, permitem defini-los como “novos movimentos sociais”, os colectivos anarquistas de Setúbal têm entre as suas acções mais recentes a participação nas manifestações de 15 de Setembro (“Que se lixe a Troika”) e de 13 de Outubro (“Que se lixe a Troika – a Cultura junta-se à resistência”), envolvendo-se na organização desta última em parceria com grupos de cariz mais institucional/convencional.

Encontro Internacional de Encerramento do Projecto “Movimento social crítico e alternativo: memória e referências”

Biblioteca Nacional de Portugal, dia 28 de Janeiro de 2013

Projecto “Movimento social crítico e alternativo: memória e referências”

Ler Mais

 

PROGRAMA

15,00 H – Abertura do Encontro pela Directora-Geral da BNP, Dra. Inês Cordeiro

15,10 – Apresentação de resultados do projecto (coord. João Freire):
– O Sistema de Informação ‘MOSCA’, por Paulo Guimarães e Paulo Quaresma
– A “Biblioteca de Textos Livres”, por António Cândido Franco e Manuela Parreira da Silva
– Os Roteiros da Memória Urbana, por Mª Alexandre Lousada
– Comentários: Profªs. Doutoras Inês Amorim e Luísa Tiago de Oliveira

16,00 – Perspectivas internacionais de cooperação entre arquivos digitais (coord. Paulo Guimarães):
– Edson Passetti, da Universidade Católica de S. Paulo, “Arquivos brasileiros da memória operária e do anarquismo”
– Marien van der Heijden, do Instituto Internacional de História Social, de Amesterdão, “Bringing Social History Online: Experiences and projects of the IISH, Amsterdam, and the International Association of Labour History Institutions”
– Debate

17,00 – Lançamento do livro “Greve de Ventres!”, com a presença dos organizadores João Freire e Mª Alexandre Lousada, do editor e da comentadora Joana Pontes.

Ciclo de Conferências Movimentos Sociais, Partidos & Democracia

Ciclo de Conferências

Ciclo de Conferências ISCTE-IUL & Biblioteca Museu República e Resistência (BMRR )
“Movimentos Sociais, Partidos e Democracia”
Janeiro – Maio, 2013
Lisboa | Biblioteca Museu República e Resistência (BMRR )
Espaço Grandella

Coordenação Científica
André Freire
Guya Accornero
Goffredo Adinolfi

+ info: gcp.cies@iscte.pt