Tag Archives: Lisboa

A CRISE REVOLUCIONÁRIA DE 1975 – Congresso internacional (Lisboa, 8 e 9 de Junho e Porto, 11 e 12 de Junho)

https://congressocriserevolucionaria1975.wordpress.com/inicio-2/programa/

Programa:

8 DE JUNHO
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Av. de Berna, 26C, 1069-061 Lisboa

9h00 Sessão de Abertura – Diretor da FCSH, e do IHC, Maria Fernanda Rollo

9h30 Conferência de Abertura – Prof. Fernando Rosas (IHC/FCSH-UNL) – “Ser ou não Ser: A Revolução Portuguesa de 1974/1975″

Moderação: Maria Fernanda Rollo (IHC/FCSH-UNL)

10h30 Mesa Redonda – População e Território – Coordenada por Maria José Roxo (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL)

Oradores: Maria José Roxo (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL)Dulce Pimentel (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL), Regina Salvador (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL), Fernanda Carmo (ICNF), José Lúcio (Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL)

Moderação: Maria José Roxo Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-UNL)

11h30 Pausa para café

11h45 Painel: Estado da Arte no Período Revolucionário

Daniela Simões (IHA/FCSH-UNL) – “Arte e Arquitetura da Revolução: da alta cultura às massas populares”

Sandra Vieira Jürgens (IHA/FCSH-UNL) – “As galerias de arte no Portugal Revolucionário”

Leonor Oliveira (IHA/FCSH-UNL) – “Por um museu vivo: os museus após a Revolução e a criação de um Museu de Arte Moderna no Porto”

Moderação: Prof.ª Raquel Henriques da Silva

13h00 Pausa para almoço

14h00 Comunicações – Economia e Sociedade

J.M. Brandão de Brito (ISEG/UL e IHC/FCSH-UNL) – “O Movimento Sindical no PREC e o I Congresso da Intersindical”

Cristina Rodrigues (IHC/FCSH-UNL) – “Unicidade Sindical: Princípio e fim de um caminho”

José Manuel Lopes Cordeiro (Univ. do Minho) – “O Sindicato dos Quimícos durante o PREC: Uma voz contra a corrente”

Moderação: Alice Cunha (IHC/FCSH-UNL)

15h15 Comunicações – Economia e Sociedade

Ricardo Noronha (IHC-FCSH/UNL) – “Qual é o valor da tua ferramenta? – para uma economia política dos conflitos sociais durante o PREC”

Vanessa Alexandra Pereira (FCSH/UNL) – “As minas de Aljustrel no contexto da crise revolucionária de 1975: análise ao relatório de contas da Pirites Alentejana S.A.R.L”

João Moreira (FLUC) – “João Martins Pereira. O engenheiro que nacionalizou a indústria”

Moderação: Rita Luís (IHC/FCSH-UNL)

16h15 Pausa para café

16h30 Mesa Redonda – Revolução e Poder Judicial: rutura e legitimidade – Coordenada por Fátima Moura Ferreira (Lab2PT)

Oradores: Wladimir Brito (Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra), Fátima Moura Ferreira, (Lab2PT), Irene Pimentel (IHC-FSCH/UNL), António Costa Pinto (ICS-UL)

Moderação: Paula Borges Santos (IHC-FCSH/UNL)

18h00 Conferência de Encerramento: Prof.ª Eugénia Mata (Faculdade de Economia da UNL) – “A crise económica de 1975. Governação e Políticas Públicas”

Moderação: Maria de Fátima Nunes (IHC-FCSH/UNL; CHFCI-UE)

 

9 DE JUNHO

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Av. de Berna, 26C, 1069-061 Lisboa

09h30 Comunicações – Instituições e Política

Inácia Rezola (IHC-FSCH/UNL) –”Antes da Ordem do Dia: a Revolução na Assembleia Constituinte”

Ivo Veiga (IHC-FSCH/UNL) – “A 5ª Divisão do Estado-Maior-General das Forças Armadas no processo revolucionário português. Projeto, validação e resistências”

Luís Eloy Azevedo (IHC-FSCH/UNL) – “A justiça na Revolução”

Moderação: Ana Sofia Ferreira (IHC-FCSH/UNL)

10h45 Pausa para café

11h00 Comunicações – Politica e Movimentos Sociais

Raquel Varela (IHC-FSCH/UNL) – “Estratégia em debate no Verão Quente de 1975″

Alcino Pedrosa (IHC-FSCH/UNL) – “Fernando Piteira Santos: política de A a Z”

Helena Lima (FLUP) e Ana Isabel Reis(FLUP) – “A rádio e o período revolucionário: Contextos, actores e narrativas”

João Arsénio Nunes (CEI-IUL) – “Álvaro Cunhal e o PREC”

Emanuele Treglia (LUISS University – Rome) – “The carnation Revolution: A crucial moment in the evolution of the European Communism”

Moderação: Giulia Strippoli (IHC-FCSH/UNL)

12h30 Pausa para almoço

14h00 Painel: A Liberdade entre-muralhas no Alentejo PRECário

Eduardo Esperança (Univ. Évora e CECL-UNL)

Ema Pires ( Univ. Évora e CRIA-IUL)

João Brigola (Univ. Évora e CIDEHUS, UÉ)

Miguel Rego ( Museu da Ruralidade, Castro Verde)

Moderação: Ivo Veiga (IHC-FCSH/UNL)

15h30 Painel: Dimensões Internacionais da Revolução de Abril: narrativas e militâncias políticas

Rita Luís (IHC-FSCH/UNL) – ” «O povo português é contra-revolucionário». A emergência do povo português na imprensa espanhola.”

Giulia Strippoli (IHC-FSCH/UNL) – “Ver, escrever e viver a Revolução. A experiência de Lotta Continua”

Marco Gomes (IHC-FSCH/UNL) – “O envolvimento dos enviados especiais estrangeiros na Revolução de Abril – o caso italiano: originalidades, paralelismos históricos, personagens e cenários”

Moderação: Pau Casanellas (IHC-FCSH/UNL)

16h45 Pausa para café

17h00 Conferência de Encerramento – Prof. Rui Bebiano (FLUC/CES– CD25 de Abril) – “O «intelectual público» na transição democrática portuguesa”

Moderação: Maria de Fátima Nunes (IHC-FCSH/UNL; CHFCI-UE)

 

 11 DE JUNHO

Faculdade de Letras (FLUP), Universidade do Porto

Via Panorâmica, s/n, 4150-564 Porto

14h30 Sessão de Abertura – Anfiteatro 2

Diretora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Presidente do Departamento de História e de Estudos Políticos e Internacionais

15h00 PREC e Educação Popular – sala 201, Simpósio organizado por Rui Canário e Isabel Menezes

Rui Canário (Universidade de Lisboa) “Educação Popular no PREC: entre a autonomia e heteronomia”

Isabel Gomes (FPCEUP) “«(…) estava tudo por fazer …»: As campanhas de alfabetização de adultos no contexto do PREC”

Luís Alcoforado (Universidade de Coimbra) “Os apelos portugueses ao pensamento e às práticas de Paulo Freire, na década de 70 do século XX”

Teresa Medina (FPCEUP) “Aprender a liberdade”

Comentário Final: José Alberto Correia (FPCEUP)

Moderação: Rui Canário (Universidade de Lisboa)

15h00  Violência e Tensões Sociais I – Sala 203, Simpósio organizado por Ana Sofia Ferreira e João Madeira

Ana Sofia Ferreira (IHC-FCSH/UNL): “Forte tensão politica no Porto no verão de 1975: a crise do CICAP/RASP”

Albérico Afonso Costa (ESE/IPS – IHC-FCSH/UNL): “Novas formas de organização política e social em Setúbal no contexto da Revolução Portuguesa (1974-1975)”

Pedro Luís da Rocha Baptista (Instituto de Filosofia da FLUP): “Crónica de uma revolução inexistente”

João Madeira (IHC-FCSH/UNL): “A definição de um campo político no Verão de 1975: o “poder popular” e o seu Directório”

Moderação: Constantino Piçarra

16h30 Pausa para café

16h45 Violência e Tensões Sociais II – Sala 203, Simpósio organizado por Ana Sofia Ferreira e João Madeira

Constantino Piçarra (IHC-FCSH/UNL): “A Violência Política no Alentejo no seguimento da crise
revolucionária de 1975 com a reforma agrária em pano de fundo” –

Miguel Pérez (IHC-FCSH/UNL): “Da greve à ocupação: a luta operária na Revolução portuguesa”

Cristina Nogueira (IHC-FCSH/UNL): “A visibilidade da memória do Tarrafal”

Moderação: João Madeira

18h00  Sessão Plenária – Anfiteatro 2

Conferência de Roger Dale (University of Bristol) “The April Revolution and the continuing/consequent contributions of education to Portuguese realities”

 

12 DE JUNHO

Faculdade de Letras (FLUP), Universidade do Porto

Via Panorâmica, s/n, 4150-564 Porto

9h30 Memória(s) e Silenciamento(s) I – Sala 203

Lucileide Cardoso (Universidade Federal da Bahia): “Memória e Informação: Historiadores Perseguidos nas Ditaduras Portuguesa e Brasileira”

Célia Cardoso (Universidade Federal de Sergipe): “Estrutura Político-Repressiva no Brasil e em Portugal: DOPS e PIDE (1945-1974)”

Vasco Ribeiro (FLUP): “O general Vasco Gonçalves e a 5.ª Divisão do MFA (1974-1975)”

Moderação: Manuel Loff (FLUP – IHC-FCSH/UNL)

10h45 Pausa para café

11h00 Memória(s) e Silenciamento(s) II – Sala 203

Federico Lopez-Terra (University of Leeds): “Narrative Restitution of Memory in Post-Revolutionary Portugal: The case of José Saramago’s novels”

Manus McGrogan (University of Portsmouth): “Portugal 1975: end point of the European revolution? A British perspective”

Pedro Miguel Ponte e Sousa (FLUP): “Portugal e a Nato: a continuidade na política externa pós-Revolução de Abril. Revolução silenciada?”

Moderação: Lucileide Cardoso (Universidade Federal da Bahia)

11h00  PREC e Educação em mudança: Políticas e práticas – sala 201, Simpósio organizado por Isabel Menezes e Rui Canário

Joaquim Pintassilgo (Universidade de Lisboa) “O período revolucionário: Um laboratório de experiências pedagógicas”

José Pedro Amorim (CIIE/FPCEUP) “Impactos do PREC? Políticas de educação de adultos e evolução da taxa de analfabetismo na população entre os anos 1890 e 2011”

Luís Grosso (FLUP) “O sistema educativo português segundo os relatórios de situação da OCDE de 1974 e 1975”

Comentário: Rui Canário (Universidade de Lisboa)

Moderação: Isabel Menezes (FPCEUP)

12h30 Sessão de Encerramento – Anfiteatro 2

Manuel Loff (FLUP – IHC-FCSH/UNL): “O Poder e a Revolução”

 

New Publication: ‘Mild Mannered’? Protest and Mobilisation in Portugal under Austerity, 2010–2013

by Guya Accornero & Pedro Ramos Pinto

Anti-austerity mobilisations in Southern Europe since 2010 have been widely debated in recent times. Commentators have emphasised the emergence of new political subjects such as the ‘precariat’ organised into loose, IT-connected movements. To what extent do these portrayals reflect the underlying dynamics of this protest cycle, and how do these movements interact with traditional political actors? Using Portugal as a case study, this article maps the cycle of anti-austerity contention between 2010 and 2013 to reveal a more complex picture, where traditional actors, including labour unions and left-wing political parties, emerge as key actors, facilitating and sustaining the discontinuous mobilisation of new forms of activism, while seeking to gain access to new constituencies through them.

Text online here:

http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01402382.2014.937587#.VCu9SBarG8A

Seminário Luso Brasileiro Trabalho, Educação e Conflitos Sociais

02 de Julho de 2014

IHC – Sala Multiusos 2, Piso 4, ID

 

Programação

 

9h00 – Abertura.

Investigadores: Raquel Varela (IHC/UNL) e Fabiane Santana Previtali (UFU – IHC/UNL).

 9h30: Sessão Temática 1- Trabalho e Educação: A experiência recente de Portugal e Brasil

Investigadores: Fabiane Santana Previtali (UFU – IHC/UNL), Teresa Medina (IHC/UNL), Sonia Maria Rummert (UFF – IHC/UNL) e Cílson César Fagiani (PPGED/UFU – IHC/UNL).                                             

12h00: almoço


14h00: Sessão Temática 2 – Trabalho e Conflitos Sociais em Portugal e Brasil Investigadores: Sérgio Paulo Morais (IH/UFU), Raquel Varela (IHC/UNL), Joana Alcântara (IHC/UNL) e Britta Baumgarten (
CIES-ISCTE Lisboa).


16h00: Sessão Temática 3 – Trabalho, Educação e Politicas Públicas no Capitalismo Contemporâneo

Investigadores: Sara Granemann (UFRJ-IHC/UNL), Thais C. Figueiredo Rêgo (PPGED/UFU – FIPMoc) e Ana Rajado (IHC/UNL).

18h00 – Encerramento

Entrada gratuita sujeita à inscrição prévia pelo e-mail:

Fabiane.previtali@gmail.com

 

 

Localização:

                                   Instituto de História Contemporanea – IHC

Av. Berna, 26 C
1069-061 LISBOA

Tel.: (00351) 21 7908300
ext.: 545
Fax.: (00351) 21 7908308
Email: 
ihc@fcsh.unl.pt

Homepage:

www.ihc.fcsh.unl.pt

Workshop: Transnational public participation and social movement activism. Ambiguities of global spread, professionalization and standardization.

O CESNOVA – Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa – e o CIES – Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE – juntam-se para receber o Workshop Internacional intitulado “Aspetos transnacionais na participação pública e no ativismo dos movimentos sociais”. Nos dia 14 e 15 de novembro as portas estarão abertas à participação do público, com a presença de investigadores internacionais em sessões debate sobre participação e ativismo social.

No tempo de crise em que vivemos, Portugal é palco para protestos da sociedade civil. Os cidadãos saem à rua pedindo para serem ouvidos pelos decisores políticos, reconhecidos na arena política europeia e autoridades internacionais como a TROIKA. Embora a maioria dos movimentos sociais tenha como principal alvo as autoridades nacionais, estes estão a tornar-se cada vez mais internacionais dada a semelhança dos problemas e desafios com que os países vizinhos se deparam. Ativistas e manifestantes de diferentes países comunicam as suas ideias, organizam dias de ação conjuntos, aprendem com as práticas comuns, numa perspetiva solidária e na partilha de uma identidade comum. Um dos exemplos deste envolvimento além-fronteiras foi o recente Movimento ‘Occupy’. Também o envolvimento do público mostra dimensões internacionais, como se observou na partilha de informação entre ativistas e manifestantes na Turquia e Brasil sobre as ações de agressão por parte da polícia.

De 14 a 15 de novembro, investigadores de todo o mundo reúnem-se em Lisboa para discutir o papel da sociedade civil na influência política e o seu envolvimento na política internacional. A final da tarde de cada dia decorrem sessões abertas ao público, onde investigadores convidados dialogam com os presentes sobre a dimensão internacional do ativismo social e da participação pública.

Este Workshop Internacional é organizado pelo CESNOVA  (Centro de Estudos de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa) e pelo CIES (Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE), com o financiamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia e Fundação Friedrich-Ebert.

Workshop programme (14-15.11.2013 in Lisbon)

Transnational public participation and social movement activism. Ambiguities of global spread, professionalization and standardization.

Thursday November 14

Venue: CESNOVA, FCSH-UNL, ID Building, Avenida de Berna 26C, Lisbon, room: 006

 9.00 Registration & Welcome coffee

9.30 Welcome & Introductory Remarks: Prof. Luís Baptista (CESNOVA, Lisbon), Reinhard Naumann (Friedrich-Ebert-Stiftung Portugal)

 9.45 Welcoming notes from organizers and introduction

Nina Amelung (TU Berlin, CESNOVA Lisbon) and Britta Baumgarten (CIES Lisbon): Opening up. An encounter between transnational oriented research on public participation and social movement activism, Discussant: Prof. Mikko Rask (National Consumer Research Centre, Finland)

10.40 First paper session: The making and shaping of transnational publics I

Chair: Nina Amelung (TU Berlin, CESNOVA Lisbon)

Gianluca Sgueo (CES Coimbra): Trans-national Civil Society’s Coalitions – A Way out of the Zugzwang?, Discussant: Enrico Borghetto (CESNOVA Lisbon)

Camilo Tamayo Gómez (University of Huddersfield): Communicative Citizenship Actions, Political Activism and Claiming of Human Rights from a Transnational Perspective: the case of the Social Movement of Victims of Eastern Antioquia, Colombia, Discussant: Nuno Nunes (CIES Lisbon)

 12.00 Lunch break

13.30 Second paper session: The global spread of new forms, norms and paradigms of activism and public participation I

Chair: Enrico Borghetto (CESNOVA Lisbon)

Sonja van der Arend (TU Delft): Participation is the issue, Discussant: Alejandro Esguerra (UFZ Leipzig)

Abel Polese (Dublin City University): Renegotiating social policy through informality: a view from Central and Eastern Europe, Discussant: Open discussion

Hanna Mühlenhoff (University of Tübingen): EU civil society funding – empowering or depoliticizing, either or? Discussant: Sonja van der Arend (TU Delft)

15.30 Walk to change the venue to CIES

16.00 Keynote Dialogue & Debate (public):

Venue: CIES, Av.ª das Forças Armadas, 1649-026 Lisbon, room: B203

Starting a dialogue – How can we strengthen exchange and cooperation between research on transnational public participation and on transnational social movements?

Prof. Mikko Rask (National Consumer Research Centre, Finland), Prof. Sabrina Zajak (University of Bochum, Germany)

Chair: Britta Baumgarten (CIES, Lisbon)

 

Friday, November 15

Venue: CESNOVA, FCSH-UNL, ID Building, Avenida de Berna 26C, Lisbon, room: 006

9.30 Third paper session: The making and shaping of transnational publics II

Chair: Guya Accornero (CIES Lisbon)

Lanka Horstink (University of Lisbon): Online participation and the new global democracy. Avaaz, a case study, Discussant: Inês Pereira (CIES Lisbon)

Lídia Fernandes (Dinâmica-CET, MMM Lisbon), Magda Alves (MMM Lisbon) and Judite Fernandes (FLUC, MMM Lisbon): Feminist challenges in transnational anti-austerity activism, Discussant: Cedric Masse (University of Lisbon)

9.30 Parallel session: The global spread of new forms, norms and paradigms of activism and public participation II

Chair: Britta Baumgarten (CIES Lisbon)

Angela Bourne (University of Roskilde) and Sevasti Chatzopoulou (University of Roskilde): Has the Eurozone crisis caused a transnationalisation of social movements? The case of Greece and Spain, Discussant: Jordi Nofre (CESNOVA Lisbon)

Rubén Díez García (University Carlos III Madrid): An approach to the Spanish 15M and the transnational networks of ‘indignados’: ideology, identity and method,    Discussant: Jonas van Vossole (CES-FEUC Coimbra)

 10.50 Coffee break

11.00 Fourth paper session: Transnational standardization of frames and discourses of social movements activism

Chair: Patricia Pereira (CESNOVA Lisbon)

Cristina Espinosa (University of Freiburg): One Discourse through Practices: Standardizing the Interpretation of the Universal Declaration of the Rights of Mother Earth, Discussant: Raul Pacheco-Vega (Centro de Investigacion y Docencia Economicas – CIDE, Aguascalientes, Mexico)

Jordi Nofre (CESNOVA Lisbon): Camped against the capital or hidden activisms of protests of the year 2011. The cases of Tahrir Revolution and ‘the Indignados’ Movement, Discussant: Helena Freitas (CIES Lisbon)

11.00 Parallel session: Translation and contextualizing of transnational circulating concepts and techniques

Chair: Beatriz Padilla (University of Minho)

Cedric Masse (University of Lisbon): Isonomy and Isegory: The making of public participation within Portuguese Alter-globalist social movements, Discussant: Angela Bourne (University of Roskilde)

Humberto Machado (IESP -UERJ Rio de Janeiro): Transnational policy action: global anti-hegemonic social movements from the formation of transnational peripheral collective identities, Discussant: Open discussion

12.20 Lunch break

14:00 Fifth paper session: Mobilization of transnational public engagement 

Chair: Madalena Corte Real (CESNOVA Lisbon)

Raul Pacheco-Vega (Centro de Investigacion y Docencia Economicas – CIDE): Trans-North American environmental social movements: The politics of mobilization in the Citizen Submission on Enforcement Matters Mechanism (CSEM), Discussant: Sabrina Zajak (University of Bochum, Germany)

Alejandro Esguerra (UFZ Leipzig): From Passive Audience to Rights-Holder? Assessing the public participation turn in international expert organizations, Discussant: Nina Amelung (TU Berlin, CESNOVA Lisbon)

15:20 Concluding session: Goodbye notes from organizers / further collaborations and publication plans

16:00 Coffee break

16.30 Key note presentations & debate (public)

Venue: FCSH, room: Grande Auditório 1, FCSH-UNL, Avenida de Berna, 26C

Introductory notes from CESNOVA representative (Prof. António Brandão Moniz, CESNOVA, Lisbon)

Research meets practice – What’s the relevance of social movement activism and public participation practices for science and vice versa?

Jamila Raqib (Executive Director of the Albert Einstein Institution, USA), Dr. Raul Pacheco-Vega (CIDE Aguascalientes, Mexico), Prof. Tiago Santos Pereira (CES Coimbra, Portugal)

Chair: Nina Amelung (TU Berlin, CESNOVA Lisbon)

Saturday, November 16

11.00 – 13.00 Walk in Mouraria

 

Call for Papers “40 anos após o 25 de abril de 1974: a crise das democracias liberais”

Organização: CIES-IUL, IHC-FCSH/UNL e CES-UC
Local: Lisboa, ISCTE-IUL (Instituto Universitário de Lisboa)
Datas: 8-10 de maio de 2014
Data limite para submissão de propostas: 31 de Outubro de 2013

A Conferência Internacional “40 anos após o 25 de abril de 1974: a crise das democracias liberais” é uma organização conjunta de três Instituições de ensino e investigação portuguesas: DCP&PP (Departamento de Ciência Política e Políticas Públicas) e do CIES-IUL (Centro de Investigação e Estudos de Sociologia), ambos pertencentes ao ISCTE-IUL (Instituto Universitário de Lisboa ); do IHC-UNL (Instituto de História Contemporânea, Universidade Nova de Lisboa); e do CES-UC (Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra). Sendo a organização científica de Fernando Rosas (IHC-UNL), André Freire e José Manuel Leite Viegas (DCP&PP e CIES-IUL, ISCTE-IUL) e José Manuel Pureza (CES-UC).

No ano em que se comemoram os 40 anos após a Revolução dos Cravos portuguesa (25 de abril de 1974), que iniciou a chamada “terceira onda de democratização” em todo o mundo e a transição para a democracia em Portugal (depois de 48 anos de ditadura), a Conferência Internacional “40 anos após o 25 de abril de 1974: a crise das democracias liberais” tem dois objetivos principais.

Por um lado, pretende ser uma espécie de memória académica da transição para a democracia dos últimos 40 anos. Por outro lado, recorrendo ao contributo das várias Ciências Sociais e Políticas e das Ciências Humanas (História, Ciência Política, Relações Internacionais, Economia, Sociologia, Filosofia) e combinando abordagens comparativas e históricas, esta conferência pretende refletir sobre os vários indicadores da crise das democracias liberais e representativas europeias (governos tecnocráticos com um mandato popular pouco claro, governos partidários governando sem um mandato político das suas ações, consecutivas e profundas violações dos compromissos eleitorais por governos/partidos políticos eleitos, uma enorme compressão dos direito sociais contra a vontade do povo, etc.), pelo menos após 2008, data da maior crise financeira e económica desde a Grande Depressão (1929).

A Conferência terá lugar no ISCTE-IUL (Lisboa – Portugal), de 8 a 10 de maio de 2014, e terá uma sessão de abertura (com duas conferências de abertura proferidas por dois convidados) e cinco painéis académicos/temáticos, além de um painel final com os representantes dos partidos políticos representados no Parlamento português. Nos cinco painéis científicos/temáticos, metade dos trabalhos serão apresentados por convidados escolhidos pelos organizadores científicos deste Encontro e a outra metade pelos investigadores que responderem a este call for papers, depois de selecionados pelos mesmos organizadores científicos (ver abaixo o programa provisório).

Assim, convidamos todos os interessados em apresentar um trabalho na Conferência Internacional “40 anos após o 25 de abril de 1974: a crise das democracias liberais”, a enviar um resumo desenvolvido do mesmo (500-600 palavras no máximo), em que tanto o ponto de vista científico como os dados e metodologia utilizada sejam perfeitamente claros e especificados.

As propostas de comunicação devem ainda incluir a identificação do(s) autor(es), um curto CV (cerca de 5 linhas) e um link para o CV completo de todos os autores de cada uma das proposta. A proposta de trabalho deve igualmente especificar qual o painel que pretende integrar (apenas uma única opção).

Privilegiar-se-á a apresentação de trabalhos comparativos e longitudinais (isto é, que comparem as realidades dos diferentes países, mas também os diversos períodos de tempo, ou seja, o antes e o depois de 2008).

Data limite de envio de propostas: 31 de Outubro de 2013
Os autores serão notificados sobre a selecção de propostas até dia 30 de Novembro de 2013

A organização tem a intenção de publicar a versão revista dos trabalhos que, selecionados pela sua qualidade, venham a ser apresentados na conferencia. Todas as propostas devem ser enviadas simultaneamente para o CIES-IUL ( andre.freire@iscte.pt e jmlv@iscte.pt), IHC-UNL ( fernandorosas.ihc@fcsh.unl.pt) e CES-UC ( jmp@ces.uc.pt).

Call for Papers // Media, Trabalho e Conflitos Sociais (Séculos XIX e XX)

Organização: Grupo de Estudos do Trabalho e dos Conflitos Sociais do Instituto de História Contemporânea (IHC-UNL)
Local: FCSH-UNL. Av. de Berna, 26, Edifício I&D
Datas: 16 e 17 de Outubro de 2013
Data limite para submissão de propostas: 10 de Julho de 2013

Coordenação: Raquel Varela, Giulia Stripoli, Paula Borges Santos

Parcerias: Comissão de Trabalhadores da Rádio Televisão Portuguesa; Hemeroteca Municipal de Lisboa.
Esta conferência internacional pretende incentivar a apresentação de investigações que tenham por cerne as relações e condições laborais na imprensa, radio e televisão e também que enfatizem as relações entre media e conflitos sociais, desde o século XIX até ao final do século XX.
Além de se pretender favorecer um conhecimento diacrónico da evolução do papel dos media em torno desses dois eixos de problematização, esta conferência procura também fomentar uma reflexão interdisciplinar, acolhendo para tanto apresentações produzidas no âmbito da história, da sociologia, da antropologia, e da comunicação social, entre outras ciências sociais.

As propostas de comunicações devem privilegiar contribuições teóricas ou metodológicas, estudos de caso ou outras investigações que concorram para criar conhecimento em torno:

– Da história do trabalho e das condições laborais dos trabalhadores dos media;
– De conflitos de trabalho envolvendo media e do seu impacto na comunidade envolvente;
– Da influência do movimento dos trabalhadores e dos conflitos sociais na história dos media;
– Do papel dos media face a conflitos sociais;
– De sociabilidades associativas dos trabalhadores dos media;
– De dinâmicas de trabalho entre media nacionais e seus congéneres estrangeiros.

As propostas devem ser submetidas à organização da conferência, até 31 de Maio de 2013, através do seguinte email: mediatrabalhoconflitossociais@gmail.com. As propostas devem apresentar: título, resumo (mínimo de 200 palavras e máximo de 500), nome e filiação institucional do comunicante. A organização comunicará da decisão de seleção das propostas recebidas até 30 de Junho. Os comunicantes selecionados devem enviar à organização o texto completo da sua apresentação até 30 de Setembro.

Calendário:

Data limite de submissão de propostas: 10 de Julho de 2013

Data de comunicação da decisão de seleção: 1 de Setembro de 2013

Data limite de envio de texto completo: 5 de Outubro de 2013

Call for Papers // Congresso Internacional “A Revolução de Abril. Portugal 1974-75”

Organização: IHC-FCSH/UNL, em parceria com o Teatro Nacional D. Maria II
Local: Lisboa | Teatro Nacional D. Maria II
Datas: 21 a 24 de Abril de 2014
Data limite para submissão de propostas: 1 de Dezembro de 2013

Quando se aproxima o 40º Aniversário da Revolução que pôs fim ao Estado Novo e abriu caminho à instauração do regime democrático em Portugal, pretende o Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas-UNL, com a parceria do Teatro Nacional D. Maria II, reunir num Congresso internacional, entre 21 e 24 de Abril, os trabalhos de investigadores dedicados ao estudo do processo revolucionário de 1974-75.

Sem esquecer os efeitos que contribuíram para a posterior consolidação democrática ou as continuidades herdadas do regime anterior, o Congresso focar-se-á fundamentalmente nas diversas manifestações de ruptura e mudança, tendo como objectivo tornar inteligíveis os principais vectores do processo revolucionário e como denominador comum a análise das transformações operadas na sociedade e política portuguesas entre 25 de Abril de 1974 e 25 de Novembro de 1975.

O Congresso A Revolução de Abril reunirá intervenções proferidas por conferencistas internacionais e nacionais convidados e a apresentação de comunicações seleccionadas a partir deste convite à submissão de propostas.

Adoptando um registo interdisciplinar e internacional, a organização do Congresso privilegiará propostas de comunicações originais enquadradas nos seguintes eixos temático (sem prejuízo de virem a ser aceites propostas de comunicações dedicadas a outros temas):

– Partidos, instituições e poder político;
– Movimento das Forças Armadas e intervenção política dos militares;
– Descolonização;
– Movimentos e conflitos sociais;
– Economia e desenvolvimento;
– Educação, estética e cultura;
– Dimensão internacional da Revolução Portuguesa;
– Historiografia e História da Revolução.

A seleção das propostas será orientada pelo propósito de garantir o máximo de qualidade, originalidade e diversidade dos trabalhos.

As propostas de comunicação devem ser apresentadas num texto máximo de 500 palavras e devem ser acompanhadas por três palavras-chave. Os proponentes deverão juntar uma breve nota biográfica (200 palavras), assim como a filiação institucional e contactos do autor ou autores (email e telefone).

As comunicações têm a duração máxima de 30 minutos e poderão ser apresentadas em português, castelhano, inglês e francês.

Submissão das propostas de comunicação: até 1 de Dezembro de 2013.
Data da comunicação aos autores dos resultados da submissão das propostas: 2 de Janeiro de 2014.
Divulgação do Programa: 15 de Janeiro de 2014.

Por favor envie as suas propostas de comunicação por e-mail para: ihc.40anos25deabril@gmail.com

Ciclo de Conferências – “As portas que Abril abriu” – Abordagens dos processos de transformação no período pós-25 de Abril

 

Portas Abril

Organização: Biblioteca Museu República e Resistência – Espaço Grandela IELT/FCSH-UNL

30 de Abril 18h30 “Grândola Vila Morena, Terra da Fraternidade” Canções de protesto, ontem e hoje Francisco Fanhais Viriato Teles Diana Dionísio

14 de Maio 18h30 Práticas culturais no Período Revolucionário Luísa Tiago Oliveira Sónia Vespeira de Almeida Tiago Avó

21 de Maio 18h30 Conflitos laborais e transformações económicas José Nuno Matos Ricardo Noronha Miguel Pérez

28 de Maio 18h30 A memória como campo de batalha Joana Pereira Bastos Raquel Varela Paula Godinho

Publication: Geração à Rasca and beyond

This article analyses the Portuguese mobilizations that started with the Geração à Rasca in March 2011. The author argues that international events and the import of ideas from movements abroad had an important impact on the organizational structure and the claims of the Portuguese mobilizations. The nation-state, however, remains a very important factor in activism: organizational structures as well as claims are to a great extent country-specific.

Baumgarten, Britta: Geração à Rasca and beyond. Mobilizations after 12 March 2011, in: Current Sociology, March 2013, 61 (2),
, doi:  10.1177/0011392113479745

http://csi.sagepub.com/content/early/2013/04/16/0011392113479745

 

Encontro Internacional de Encerramento do Projecto “Movimento social crítico e alternativo: memória e referências”

Biblioteca Nacional de Portugal, dia 28 de Janeiro de 2013

Projecto “Movimento social crítico e alternativo: memória e referências”

Ler Mais

 

PROGRAMA

15,00 H – Abertura do Encontro pela Directora-Geral da BNP, Dra. Inês Cordeiro

15,10 – Apresentação de resultados do projecto (coord. João Freire):
– O Sistema de Informação ‘MOSCA’, por Paulo Guimarães e Paulo Quaresma
– A “Biblioteca de Textos Livres”, por António Cândido Franco e Manuela Parreira da Silva
– Os Roteiros da Memória Urbana, por Mª Alexandre Lousada
– Comentários: Profªs. Doutoras Inês Amorim e Luísa Tiago de Oliveira

16,00 – Perspectivas internacionais de cooperação entre arquivos digitais (coord. Paulo Guimarães):
– Edson Passetti, da Universidade Católica de S. Paulo, “Arquivos brasileiros da memória operária e do anarquismo”
– Marien van der Heijden, do Instituto Internacional de História Social, de Amesterdão, “Bringing Social History Online: Experiences and projects of the IISH, Amsterdam, and the International Association of Labour History Institutions”
– Debate

17,00 – Lançamento do livro “Greve de Ventres!”, com a presença dos organizadores João Freire e Mª Alexandre Lousada, do editor e da comentadora Joana Pontes.

UNIPOP Seminário «A vontade política» 21, 22 e 23 de Janeiro, das 18h às 20h

Nos últimos anos, especialmente com a explosão da crise económica e financeira, assistiu-se, a nível global, à intensificação de um vasto conjunto de lutas políticas e sociais. O problema da subjectividade, nomeadamente o da emergência de um sujeito colectivo da política, volta a colocar-se, desse modo, através da mobilização em larga escala para gestos de resistência e proposta, de indignação, e de reflexão programática sobre cenários mais ou menos difusos de mudança.
Se é verdade, por um lado, que este fenómeno se pode deixar entender à luz de uma alteração do paradigma pelo qual temos, até agora, pensado a política, parece também certo, por outro, que estas lutas são muitas vezes reconduzidas a uma filosofia política clássica, assente em categorias como «organização», «programa», «poder», «estado» ou «objectivos». Neste quadro, a categoria de «vontade» ganha uma nova relevância teórica, encontrando-se no centro de alguns dos mais importantes debates filosóficos actuais à volta da política.
Verifica-se, assim, no plano da produção teórica, uma recuperação da ideia de «vontade», bem como da tradição do voluntarismo político associado a figuras como Gramsci, Lenine ou Franz Fanon, enquanto elementos indispensáveis para pensar a subjectividade política. Esta é a proposta de Peter Hallward.
Por outro lado, temos assistido, nas últimas décadas, à ontologização de alguma filosofia política que, precisamente, questiona essa mesma concepção de vontade, e que vem no seguimento de uma longa linhagem crítica desta categoria, que se foi desenvolvendo ao longo do século XX, e que podemos de modo excessivamente simplista, arrumar em duas tendências: a crítica heideggeriana da vontade, que se prolonga em Hannah Arendt e tem hoje em Giorgio Agamben, porventura, o seu representante mais notório; a linhagem espinosana e deleuziana, que podemos encontrar, por exemplo, em François Zourabichvilli.
O carácter por vezes abstracto da formulação teórica não nos deve enganar: o que está em jogo é a discussão à volta do modo como a resistência e a luta se podem pensar no aqui e no agora, e como é que o podemos fazer sem repetir os erros do passado.
Neste seminário intensivo propomos aprofundar este debate através das suas linhas de tensão, a partir da leitura conjunta de uma selecção de textos.
Propomos, nesse sentido, os seguintes textos para discussão nas sessões:
· André Barata, «Prefácio», Primeiras Vontades – da liberdade política para tempos árduos, 2012;
· V. I. Lenine, Que Fazer?, 1902;
· François Zourabichvili, «Deleuze e o possível (do involuntarismo em política)», 1995;
· Peter Hallward, «Communism of the Intellect, Communism of the Will», 2009;
· Giorgio Agamben, «Le due ontologie, ovvero come il dovere è entrato nell’etica», Opus Dei: Archeologia dell’ufficio, Homo sacer II 5, 2012.

Datas: Dias 21, 22 e 23 de Janeiro, das 18h às 20h

Organização: UNIPOP
Coordenação: André Barata, André Dias, Miguel Cardoso
Apoio: «Seu Vicente» Residências Artísticas, c.e.m (centro em movimento), Câmara Municipal de Lisboa

Local: «Seu Vicente» Residências Artísticas (Rua da Boavista, n.º 46 – 1.º, Lisboa)

A frequência do seminário é livre, mas pede-se aos interessados que efectuem uma inscrição prévia, enviando um e-mail com o nome para cursopcc@gmail.com.

Lugares limitados.
No final do seminário será emitido um certificado de frequência.

André Barata é Doutor em Filosofia Contemporânea e professor da Universidade da Beira Interior, com publicações nas áreas da Psicologia Fenomenológica e da Filosofia Política.

André Dias é doutorando em Ciências da Comunicação/Cinema na Universidade Nova de Lisboa. Investiga as relações entre cinema e filosofia política. Organizou uma conferência sobre biopolítica e traduziu Giorgio Agamben.

Miguel Cardoso é doutorando em Literatura Inglesa em Birkbeck College, University of London.

************************************

Novo site da Unipop – www.unipop.info