Category Archives: Publications

On this site we collect recent publications by Portuguese reseachers that work on social movements as well as publications on social movements in Portugal. Please help us to improve the collection by suggesting titles and by sending (links to) your own publications. Thank you!

Contact: Britta Baumgarten (britta.baumgarten (at) gmail.com

Common Statement Peripheralizing Europe

Activists, researchers, cultural workers and academics from across the Eastern and Southern European peripheries gathered in Žeimiai, Lithuania between July 30th and August 2nd, to discuss the current political situations and organizational practices within the European Peripheries. Around 40 people participated in this meeting based in 20 different countries, mostly on the EU periphery. Organised by Murmurae (transdisciplinary facilitation platform, ES), Egzilis (anarchist collective, LT), and LeftEast (online platform across post-socialist countries), this meeting brought together people from as many places as political backgrounds and ages.

You find their common statement here:

https://peripheralizingeurope.wordpress.com/coomon-statement-eng-ro-de-slo-it-cast/

Publicação “A luta voltou ao muro” do Ricardo Campos

O Ensaio Visual “A luta voltou ao muro” do Ricardo Campos está disponível no site do jornal “Análise Social” http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/AS_212_EV.pdf

O director do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa, decidiu “retirar de circulação” do último número da revista por mau gosto das imagens e uma ofensa. Outros criticam o ato do diretor do ICS um ato de censura. Aqui um artigo sobre o assunto: http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/ics/revista-analise-social-suspensa-devido-a-linguagem-ofensiva

Eu pessoalmente acho a escolha das imagens excelente, porque mostra uma variedade dos muros políticos dos últimos anos em Lisboa. Evitar imagens com língua forte significa negar a variedade de muros políticos que existem em Lisboa.

Tenho pena de só pôr uma das imagens no blogue!

Merkel Puppenspiel

 

Para quem quer ler mais sobre intervenções urbanas em Portugal e no Brasil: http://redeartesurbanas.wix.com/raiu

New Publication: Conceptualizing Culture in Social Movement Research

Edited by Britta Baumgarten, Priska Daphi, Peter Ullrich

Culture has become a prominent concept in social movement research. It is, however, often employed in an unsystematic and limited way. This volume introduces and compares different concepts of culture in social movement research. It assesses advantages and shortcomings of existing concepts and introduces new approaches. In particular, it addresses facets of cultural theory that have hitherto been largely neglected in the literature on social movements. This includes ideas from anthropology, discourse analysis, sociology of emotions, narration, spatial theory, and others. The chapters in this volume address three relationships between social movements and culture: culture as a framework for movements, social movements’ internal culture, and culture and cultural change as a result of social movement activity. For the purpose of making concepts easily accessible, each contribution explains its approach to culture in an understandable way and illustrates it with recent cases of mobilization.

9781137385789

http://www.palgrave.com/page/detail/conceptualizing-culture-in-social-movement-research-britta-baumgarten/?K=9781137385789

large parts online for free: http://books.google.de/books?id=5HCoBAAAQBAJ&printsec=frontcover&dq=conceptualizing+culture+in+social+movement+research&hl=en&sa=X&ei=ofQ0VLCmH-a8ygPmmIDgCw&redir_esc=y#v=onepage&q=conceptualizing%20culture%20in%20social%20movement%20research&f=false

Discount flyer: Flyer Conceptualizing Culture in Social Movement Research

Table of Contents

1. Protest and Culture: Concepts and Approaches in Social Movement Research. An Introduction; Peter Ullrich, Priska Daphi, and Britta Baumgarten

PART I: THEORIZING CULTURE FROM DIFFERENT PERSPECTIVES BEYOND THE MAINSTREAM
2. Feeling – Thinking: Emotions as Central to Culture; James Jasper
3. ‘A Whole Way of Struggle?’: Western Marxisms, Social Movements and Culture; Laurence Cox
4. Reassessing the Culture Concept in the Analysis of Global Social Movements: An Anthropological Perspective; June Nash
PART II: CULTURE AS A FRAMEWORK FOR MOVEMENT ACTIVITY
5. Culture and Activism Across Borders; Britta Baumgarten
6. Comparing Discourse between Cultures: A Discursive Approach to Movement Knowledge; Peter Ullrich and Reiner Keller
7. Culture and Movement Strength from a Quantitative Perspective: A Partial Theory; Jochen Roose
PART III: INTERNAL MOVEMENT CULTURE
8. Movement Space: A Cultural Approach; Priska Daphi
9. Movement Culture as Habit(us): Resistance to Change in the Routinized Practices of Resistance; Cristina Flesher Fominaya
10. Memory and Culture in Social Movements; Nicole Doerr
11. Embodying Protest: Culture and Performance within Social Movements; Jeffrey Juris
PART IV: IMPACT OF SOCIAL MOVEMENTS ON CULTURE
12. Moving Culture: Transnational Social Movement Organisations as Translators in a Diffusion Cycle; Olga Malets and Sabrina Zajak
13. Memory Battles over May ’68: Interpretative Struggles as Cultural Re-Play of Social Movements; Erik Neveu

New Publication: ‘Mild Mannered’? Protest and Mobilisation in Portugal under Austerity, 2010–2013

by Guya Accornero & Pedro Ramos Pinto

Anti-austerity mobilisations in Southern Europe since 2010 have been widely debated in recent times. Commentators have emphasised the emergence of new political subjects such as the ‘precariat’ organised into loose, IT-connected movements. To what extent do these portrayals reflect the underlying dynamics of this protest cycle, and how do these movements interact with traditional political actors? Using Portugal as a case study, this article maps the cycle of anti-austerity contention between 2010 and 2013 to reveal a more complex picture, where traditional actors, including labour unions and left-wing political parties, emerge as key actors, facilitating and sustaining the discontinuous mobilisation of new forms of activism, while seeking to gain access to new constituencies through them.

Text online here:

http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01402382.2014.937587#.VCu9SBarG8A

Book: Nelkenrevolution reloaded? Krise und soziale Kämpfe in Portugal

Ismail Küpeli about current activism in Portugal including a collection of voices from activists.

Extract in English here: http://issuu.com/edition-assemblage.de/docs/extract_nelkenrevolution_reloaded

More about the book here: http://www.edition-assemblage.de/nelkenrevolution-reloaded/

 

Artigo: O movimento por justiça global

O artigo “O movimento por justiça global – resistência aos modelos económicos de globalização” da Britta Baumgarten saiu no Jornal PerCursos da Universidade UDESC

http://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724614272013324/3024

 

This text will be publishes in English, in: Stefan Berger and Holger Nehring (forthcoming): Global Social Movements, Palgrave

Publication: Geração à Rasca and beyond

This article analyses the Portuguese mobilizations that started with the Geração à Rasca in March 2011. The author argues that international events and the import of ideas from movements abroad had an important impact on the organizational structure and the claims of the Portuguese mobilizations. The nation-state, however, remains a very important factor in activism: organizational structures as well as claims are to a great extent country-specific.

Baumgarten, Britta: Geração à Rasca and beyond. Mobilizations after 12 March 2011, in: Current Sociology, March 2013, 61 (2),
, doi:  10.1177/0011392113479745

http://csi.sagepub.com/content/early/2013/04/16/0011392113479745

 

Livro: Sobre a Passagem de Alguns Milhares de pessoas por um breve período de tempo

Os autores anónimos escrevem sobre este livro:

“Este texto foi escrito por vários pares de mãos ao longo dos
últimos meses, num processo continuamente minado por eventos que
insistiam em torná-lo incompleto sempre que parecia quase concluído.
Muitas vezes discordámos sobre praticamente tudo: não apenas o que
tinha acontecido e quando, ou quantas pessoas tinham estado onde, mas
também quanto às questões de fundo que atravessam o período que este
texto pretende narrar. O discurso aqui proposto é incompleto, parcial,
questionável e eventualmente duvidoso. Ante as inúmeras experiências
pessoais e colectivas seria ridículo sugerir que estas dezenas de páginas
fazem mais do que reunir as notas, ideias, desejos e projecções de uma
mão cheia de pessoas, limitadas pelos contextos pessoais e políticos onde
estiveram inseridas. A intensificação dos processos emancipatórios em
curso foi, talvez como nunca antes na história, acompanhada por uma
gigantesca multiplicação de instâncias onde se comenta e discute tudo até
à exaustão. Pensamos que esta nossa contribuição seria útil a esse debate e
ao enriquecimento desse espaço de diálogo, nem sempre pacífico ou fácil.
É nesse espírito que o divulgamos.”

Aqui o texto completo:

Sobre a Passagem de Alguns Milhares de pessoas por um breve período de tempo

 

Texto de Helena de Sousa Freitas

O texto “O espaço público urbano como lugar de desafio:  práticas anarquistas recentes nas paredes de Setúbal” de Helena de Sousa Freitas foi apresentado  no Workshop “Protestos e Movimentos Sociais Contemporâneos em Portugal” no dia 21 de fevereiro, no ISCTE, Lisboa.

Resumo:

Marcada por significativos problemas sociais (do desemprego às más condições de alimentação e habitação), Setúbal conheceu, nas primeiras décadas do século XX, uma intensa actividade anarco-sindicalista, com evidências na criação de associações profissionais, na realização de prolongadas greves e no florescimento da imprensa ácrata.

Mas na cidade, como em todo o país, o movimento libertário enfraqueceu durante o Estado Novo e, depois do 25 Abril de 1974, o antipartidarismo anarquista nada conseguiu contra o entusiasmo de um povo que não quis abdicar do seu direito de voto numas eleições livres.

No século XXI, porém, o silêncio foi quebrado. Na sequência de projectos como a Casa Okupada de Setúbal Autogestionada (COSA), as paredes urbanas tornaram-se cenário privilegiado dos novos anarquistas, que ali contestam os mais diversos tópicos – da especulação imobiliária à acção policial –, por vezes escolhendo slogans comuns a murais de outros países ou influenciados por aqueles.

Um dos seus pontos de insistência é o Troiaresort, um empreendimento turístico para as elites que, segundo os anarquistas, impede a população local de desfrutar das praias de Tróia (ao longo de décadas espaço de veraneio das classes baixas que se vêem agora confrontadas com o elevado preço da travessia do rio Sado).

Em (re)acção, os anarquistas têm escrito nas paredes de Setúbal frases imperativas (“Tróia é nossa”), desanimadas (“O ferry vai e volta, a nós resta-nos a revolta”) ou jocosas (“Coisas finas em Tróia, só se for a areia”), sendo frequentes as alusões ao tema noutras iniciativas, como a manifestação “anti-capitalista e anti-autoritária” do 1.º de Maio.

Reunindo características que, à luz da literatura, permitem defini-los como “novos movimentos sociais”, os colectivos anarquistas de Setúbal têm entre as suas acções mais recentes a participação nas manifestações de 15 de Setembro (“Que se lixe a Troika”) e de 13 de Outubro (“Que se lixe a Troika – a Cultura junta-se à resistência”), envolvendo-se na organização desta última em parceria com grupos de cariz mais institucional/convencional.

Text Christine Auer: “Affects in political protests”

O texto “Affects in political protests” da Christine Auer foi apresentado  no Workshop “Protestos e Movimentos Sociais Contemporâneos em Portugal” no dia 21 de fevereiro, no ISCTE, Lisboa.

Resumo:

The investigation this paper seeks to explore the significance of affects in current
protest movements against austerity measures in Lisbon. Based on a field research using
the method of sound ethnography, protest forms of new social movements are compared
with more traditional ones like trade-union demonstrations.
According to Brian Massumi, affect has recently become more important to understand
power than ideology. In his opinion, the modulation of affects even substitutes traditional
ideologies in politics. Referring to Spinoza, Massumi perceives affect as a resource of
creativity and potential and suggests that alternative politics should also use this. Based on
these assumptions, the question is: How is affect modulation used by different groups in the framework of current political protest in Lisbon, and what kind of potential does that create?
The data of the investigation is based on recordings collected during a field research in
Lisbon during two weeks of significant protest events in September and November 2012
respectively. The ongoing analysis of the material focuses on a comparison between the
practices of “Que se lixe a troika”- protest alliance that organized one of the biggest
demonstrations in Portugal in recent decades, and other protest movements of the same
time period and moment of history.
The methodological approach is not based on traditional sound studies, but on the idea of an ethnography of the senses. It is presumed that affects can be perceived through the sounds of demonstrations: the way somebody talks while giving an interview, not only the content of political slogans but also the way they are shouted, the fact that some things are audible at a demonstration and others not etc. Thus, the method opens an additional dimension to textual and visual approaches and allows an approximation to a truly thick description.
Like this, the text is also a reflection on the methodology: What can an ethnography of sound contribute to the investigation of social movements?

Collection of texts by António Dores

A precipitação dos radicalismos e a responsabilidade de cada um

António Dores presenta aqui um conjunto de seis artigos sobre a presente e persistente agitação social. De uma tentativa nada profissional de ultrapassar as barreiras editoriais para chegar aos potenciais leitores.

Um destes textos foi presentado no workshop “Protestos e Movimentos Sociais Contemporâneos em Portugal”  20-21 de Fevereiro 2013, CIES.

 

Mario Montez: “Do Choupal à utopia: mobilização e desmobilização na ação coletiva”

O texto “Do Choupal à utopia: mobilização e desmobilização na ação coletiva” do Mario Montez foi apresentado  no Workshop “Protestos e Movimentos Sociais Contemporâneos em Portugal” no dia 21 de fevereiro, no ISCTE, Lisboa.

Resumo:
A partir do estudo de caso da ação coletiva realizada pelo movimento cívico Plataforma do
Choupal, criado em Coimbra para defesa da Mata Nacional do Choupal contra a construção de um viaduto rodoviário sobre aquele espaço público, levantam-se pistas e hipóteses que
procuram responder à questão: o que poderá influir na intensidade da mobilização ou na efetiva desmobilização de uma ação coletiva? A análise desta ação coletiva mostra a existência de uma relação entre a ameaça e a ação coletiva, condicionada por uma dimensão emocional e subjetiva proveniente da relação dos sujeitos com os bens de que usufruem, assim como de uma perceção de risco dos mesmos relativa à proximidade da ameaça aos seus bens. A partir daqui levanta-se a hipótese da existência de uma dinâmica determinante para a mobilização e para a desmobilização da ação coletiva, composta por dois sentidos opostos: um ascendente no sentido da mobilização e um descendente no sentido da desmobilização. O contributo trazido pela compreensão desta dinâmica de “sentidos da ação coletiva”, da sua complexidade e dos elementos que a compõem, considera-se importante para a prossecução das ações coletivas pontuais enquanto movimentos sociais que visem a produção de uma mudança social portadora de uma efetiva democracia participativa.

Palavras- chave: Ação Coletiva; Mobilização; Desmobilização; Sentidos da Ação Coletiva.